25.11.09

(+) do mesmo

saber que afinal não vais sair do país deixou-me com um estranho sentimento. é triste pensar que podíamos ter tido um Verão e um Outono maravilhosos e que cada um foi para o aconchego da sua casa, sem dar luta. penso que foi uma má desculpa e sinto-me mal por ter achado que estavas a ser correcto comigo. se calhar até foste correcto demais. porque não te deixaste levar? como eu fiz ao longo deste tempo? isso que foste tu que me ensinaste! posso até parecer uma obcecada, mas acho que simplesmente não consigo lidar com isto. os sentimentos não foram para fazer sentido, mas aqui a falta de lógica perturba-me. não tem lógica te teres afastado de mim, não tem lógica não termos ficado juntos até não dar mais, não tem. as coisas não estavam mal e ambos sabemos disso. tínhamos uma relação pouco vulgar, é certo. mas ali, reinava harmonia. sim, ia-me algumas vezes abaixo, mas com o tempo aceitei e por mim andava com isto para a frente, apesar de ainda hoje não saber o que é. mas não importa, certo? mais uma vez, como me ensinaste. não me importava estar pouco tempo contigo. pouco ou muito, era contigo. sim, não és o único homem no mundo. mas para mim, eras o the one and the only. sim, sei que nos vamos encontrar de novo e sei que o que tenho dentro de mim não vai desaparecer assim tão rapidamente. mas também sei que neste momento não me importa se me acham vulgar, eu quero é curtir a vida. tu ensinaste-me e fiz disso o meu modo de vida. sou mais genuína (?) que nunca porque me ensinaste e cada vez me importo menos com o que os outros pensam. já não me importava muito, agora ainda menos.. sou aquilo a que se chama de "livre", apesar de eu considerar tal conceito utópico. tinha muito para te dizer, uma parte está aqui. a outra, que não consigo exteriorizar, fica para quando nos cruzarmos. queria deixar de escrever sobre ti, mas parece-me que só assim é que posso continuar a manter o meu equilíbrio, que apesar de tudo é pouco..

resta-me as nossas memórias..e as nossas músicas, que apenas para mim, serão sempre nossas.

2 comentários:

Inês Alves disse...

O arrependimento é que mata...
O 'ficar por fazer' nunca deveria existir.

Bruna Lopes disse...

http://www.youtube.com/watch?v=GJj_XETzoRA

Não é o estilo de música que costumo ouvir e decerto não será o teu. Mas ouve a música e tenta perceber a letra. A mim, mostrou-me o caminho de muitas curas.
*
(tenho a letra algures no meu blog, é só procurares se quiseres)